Pobreza em Angola é maior na zona Rural


 
Responsáveis ligados a instituições como, planeamento, Banca, entidades religiosas e da comissão de Luta contra à pobreza.

 

 

 

Abordaram no espaço tendências e Debates da RNA, a problemática da Protecção Social e o Combate à Pobreza.
Milton Reis, do Ministério do Planeamento, disse no sábado 23/04, que os maiores índices de pobreza em Angola residem no Norte e Leste do País, com maior incidência para as zonas rurais.

“Os dados do inquérito do IBEP, mostram claramente que são três regiões que carecem de maior atenção por parte das autoridades. A primeira região, abarca Cabinda, Uíge e Zaire onde são pobres pelo menos 4 vezes mais do que a média nacional. Depois temos a segunda região, isso olhando para os dados do IBEP, que é a região das Lundas, Moxico, Kuando-Kubango e, por último, a região do Namibe, Cunene e Huíla. Isso quer dizer que essas são as regiões onde realmente há mais população na zona rural e nós sabemos claramente que os dados do inquérito do IBEP mostram, que a pobreza é maior nas áreas rurais do que nas urbanas. Os dados indicam a área rural com 58% e a urbana com 18,7%. Pode-se dizer que é quase três vezes mais a incidência na zona rura, do que na zona urbana”.

Manuel Moreira, coordenador do plano de qualidade e Sustentabilidade do Instituto de Segurança Social diz que a maior parte das pessoas que vivem no meio rural não estão inseridas no mercado formal, facto que dificulta a protecção social das pessoas que vivem nestas localidades.

“Uma grande diferença é o facto de que a maior parte das pessoas que vivem no meio rural não estão inseridas no mercado formal de trabalho”.

Pedro Eduardo, do Banco Micro-Finanças, revela que a sua instituição, tem uma carteira de crédito na ordem dos 18 milhões de dólares e já concedeu crédito há mais de DOIS MIL clientes, no âmbito do programa de combate à pobreza.

“Normalmente não se pode conceder o crédito sem que haja um acompanhamento. A a partir da fase em que se faz o reembolso, há necessidade de se fazer o acompanhamento do crédito que foi concedido. Nós até aos últimos anos temos uma carteira de 18 milhões de dólares já no mercado, e num total de mais de 2 mil beneficiários de crédito concedido por nós”

Boa Pedro, da Comissão de Luta contra à Pobreza, garante que o objectivo do governo é promover o acesso da população aos serviços públicos, para reduzir a pobreza no meio rural.

“O grande objectivo é precisamente reduzir os níveis de pobreza em particular no meio rural, promovendo o acesso de toda a população aos serviços públicos básicos. E em consequência disso, é especificamente fazer com que a população, as associações, as representações das igrejas à todos os níveis, participem no desenvolvimento de determinadas comunidades, isto é, no desenvolvimento local”, concluiu.

Opinião extraídas do debate radiofónico realizado sábado nos estúdios centrais da Rádiodifusão Nacional de Angola.

publicado por asbcong às 11:02 | link do post